segunda-feira, 2 de maio de 2011

A pele


A pele é pólo,
magnetismo.
Só escapa quem não a tem.

A pele é traça,
come roupas
e a nós também.

A pele é fogo voraz,
fusão e reação
entre corpos que colidem.

É a metafísica do encontro,
do desejo e da vontade,
da resistência desarmada.

A pele é cheiro hipnótico,
apertos, braços, cabelos,
é apelo e ultimato.

A força da pele
não respeita o tempo, nem fé,
nem crenças ou convicções,
não respeita vontades, ela às cria e impõe.

Não há quem não salive
a oferta de seus sabores,
e dos que a encaram,
quem não se renda aos seus entre-laços.

De suas intenções, só escapa quem foge.